Informações gerais sobre alergias. Este site não tem o objetivo de prestar consultas pela internet. Para tirar dúvidas, procure também www.asbairj.org.br e www.blogdaalergia.com

Arquivo para março, 2008

DERMATITE ATÓPICA OU ECZEMA ATÓPICO – DICAS IMPORTANTES

 

A dermatite atópica é uma afecção alérgica crônica da pele, mais comum em crianças, e que faz parte da chamada tríade atópica: o grupo de doenças alérgicas que têm um caráter hereditário e comumente ocorrem em associação no mesmo indivíduo, seja ao mesmo tempo, seja em épocas diferentes da vida. São elas a dermatite atópica, a asma brônquica e a rinite alérgica.

 

A dermatite atópica se manifesta característicamente por lesões inflamatórias crônicas e/ou recorrentes da pele, o chamado eczema, geralmente limitadas a áreas típicas desta doença, dependendo da idade do paciente. Por exemplo, no lactente é mais comum o aparecimento das lesões na face (bochechas), pescoço e, eventualmente, no couro cabeludo, dorso e membros (braços e pernas). Já em crianças maiores, adolescentes e adultos, as lesões tendem a se concentrar nas dobras dos cotovelos e dos joelhos, podendo também aparecer em outras regiões, como o pescoço. Além disso, o padrão regional de acometimento pode variar entre os dois extremos, ou seja, os casos graves, com lesões praticamente disseminadas, e os casos mais leves, com lesões localizadas e brandas.

 

Assim como nas outras doenças atópicas respiratórias (rinite e asma), na dermatite atópica também há um processo inflamatório crônico da pele, associado a hiperssensibilidade (alergia), que pode estar relacionada a várias substâncias (antígenos) do meio ambiente e de alimentos, por exemplo. Caracteristicamente, esse processo inflamatório da pele na dermatite atópica pode ser exacerbado por vários fatores, como os próprios antígenos (p.ex. ingestão de alimento alergênico ou contato direto com substâncias de ácaros na cama), por fatores irritantes inespecíficos (perfumes, esfoliantes, calor), pelo estresse emocional e pelo próprio trauma (atrito de roupas apertadas ou do próprio ato de coçar).

 

Além disso, a chamada “pele atópica” também tem características próprias que a tornam diferente da pele de pessoas sem alergia, como a redução de componentes normais da matriz extracelular (as várias proteínas e outras substâncias que constituem a arquitetura de sustentação da pele) e a menor produção de gorduras naturais, que hidratam e protegem a pele do meio externo. Por isso a pele do paciente atópico (tenha ele eczema e/ou alergia respiratória) geralmente é mais seca, áspera e tende a coçar mais que a pele de pessoas normais. E ainda, pode ser mais suscetível a infecção por bactérias e fungos que a pele normal.

 

Por tudo isso, além de medidas para evitar o contato (por ingestão ou direto na pele) com as substâncias que causam a reação alérgica e do uso de medicamentos adequados (e isso só pode ser avaliado individualmente pelo médico alergista), é importante manter cuidados especiais, aumentando sua hidratação e evitando as agressões inespecíficas (químicas e físicas), pois todas elas servem como “gatilhos” para aumentar a inflamação, criando um círculo viçioso, onde mais inflamação leva à mais coçeira, e o trauma da coçadura leva à mais inflamação da pele.

 

Algumas dicas importantes para todas as idades:

– evitar roupas apertadas e de tecidos sintéticos – quanto menos roupa melhor;

– evitar sabonetes esfoliantes – preferir sempre sabonetes hidratantes;

– evitar o banho quente, o excesso de banhos e a permanência por muito tempo

  em ambientes quentes – preferir banho morno a frio (um a dois por dia, no máximo)

  e ambientes refrigerados;

– evitar talcos e perfumes com fragrâncias muito ativas;

– manter toda a pele sempre bem hidratada, através do uso de creme

  ou gel adequado a cada caso;

– usar medicamentos de forma criteriosa, sempre sob orientação do especialista.

  Medicamentos tópicos adequados, porém usados de forma incorreta

  ou em áreas extensas podem causar efeitos adversos sistêmicos

  (no resto do organismo) e, por outro lado, medicamentos inadequados podem

  piorar a inflamação da pele, e mesmo induzir novas sensibilizações (alergias).

 

 

                                    Dermatite atópica no lactente

 

                                                Dermatite atópca no adulto

Nuvem de tags